Government Venture Builder, novo conceito de investimento em startups para o setor público, é lançado durante a Conferência Anpei 2019 de Inovação

Durante a Conferência Anpei de Inovação, realizada no final de setembro, em Foz do Iguaçu/PR, a FCJ e a Houer lançaram a Publicae, uma join venture que nasce como um novo conceito de investimento e fomento em startups. Fruto da experiência entre as duas empresas, a Publicae pretende levar ao setor público o Government Venture Builder, um modelo que tem como ponto central o investimento privado em iniciativas de inovação e startups, criando o ambiente para o desenvolvimento local e regional, com a geração de emprego e renda de alto valor agregado.

A Publicae será responsável pelo licenciamento deste modelo para os órgãos públicos nas esferas municipal, estadual e federal, ampliando significativamente o ecossistema de inovação no Brasil, em um modelo de aproximação do investimento privado para atender as demandas de modernização do estado brasileiro, tendo as startups como vetor desta transformação.

No modelo proposto os órgãos públicos passam a ser parceiros nas iniciativas, em um papel de articuladores e facilitadores, na construção de soluções que melhorem o nosso país e otimizem o uso dos recursos públicos, deixando o risco deste tipo de investimento para a iniciativa privada. E, por outro lado, as startups ganharam a oportunidade de desenvolver soluções para atender as “dores” do setor público, impactando de forma positiva a sociedade.

“Acreditamos que existe uma série de desafios no setor público que podem ser solucionados por meio de startups. Propiciar a criação de tecnologias para resolver problemas de áreas estratégicas, reduzir burocracia e custo, além de melhorar processos e a relação entre governantes e cidadãos, são alguns dos nossos objetivos”, explica o sócio-diretor da Houer, Thiago Grego.

Segundo o CEO e Fundador da FCJ, Paulo Justino, “precisamos universalizar a inovação, atualmente os polos de inovação estão restritos aos grandes centros. O modelo proposto tem como objetivo levar uma alternativa aos Municípios e Estados, fomentando e desenvolvendo os ecossistemas locais, atuando sempre com a Tríplice Hélice: empresa-universidade-governo, neste caso tendo a empresa representada pela iniciativa privada e investidores que entram com os recursos financeiros, em um modelo Venture Builder, ao invés do tradicional Venture Capital”.

Sobre a Houer

Criada em Belo Horizonte por ex-funcionários públicos do governo de Minas Gerais, a Houer – Modelagem em projetos públicos e privados – nasceu em 2015 a partir da constatação de uma crise fiscal que levaria a incapacidade de promoção dos serviços públicos. Os cinco sócios enxergaram uma oportunidade com a falta de condições dos governos de conduzir os serviços: teriam que buscar outras alternativas, como as parcerias público-privadas e as concessões, que são suas áreas profissionais de expertise.

A Houer faz todo o processo de modelagem da PPP, desde estudos de engenharia, avaliação econômica do projeto, estruturação jurídica do documento e acompanhamento até a licitação. Além disso, a empresa também oferece estudos de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), que é quando a iniciativa privada apresenta um estudo que pode ser utilizado pelo governo para abrir uma licitação de um projeto de concessão, entre outros serviços.

Sobre a FCJ Venture Builder

A primeira venture builder brasileira, a FCJ surgiu em 2013 com o objetivo de ser uma alternativa aos investidores-anjo que podem investir de forma coletiva em uma holding com portfólio gerenciado de startups, mantendo a característica de ser também uma startup com modelo replicável e escalável. Diferente de outros modelos, a FCJ ao invés de criar as suas próprias startups, seleciona de forma continuada startups para se tornar co-founder assumindo as áreas de retaguarda como: marketing, contabilidade, jurídico, administrativo, financeiro e infraestrutura, possibilitando que os empreendedores foquem todo o seu esforço na inovação.

Buscando fomentar e desenvolver o ambiente de investimento anjo no Brasil, a companhia lançou o curso Jornada do Investidor-anjo com módulos EAD, atividades presenciais e eventos de networking, o curso tem a duração de 1 ano, https://ead.fcjparticipacoes.com.br/

A FCJ possui o modelo de licenciamento de Venture Builder, tendo a maior rede de Venture Builders do país, contando atualmente com as regionais FCJ São Paulo, FCJ Triângulo e FCJ Bauru e as verticais Energy Nest, Construtech Innovation, Sky Ventures, Saúde Ventures, além das Corporate Venture Builders:  Fortune focada em indústria 4.0 em parceria com a TCS; Varejo Ventures, em parceria com a CDL-BH; e o Semear Innovation, fruto de parceria com o Banco Semear.

Fonte: Exame.com

Related Posts

Deixei seu comentário